quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

ISLÂNDIA (7ºdia): Seydisfjordur - Reydarfjordur - Hofn










































Austurland, a leste, é uma das 8 regiões do país. É caracterizada pelo relevo acentuado das montanhas e pelos fjordes profundos, facto que constatamos, na noite anterior, durante os 25 km de estrada entre Egilsstadir, a capital da região, e o parque de campismo em Seydisfjordur. Uma autêntica montanha russa!! Seydisfjordur, localizada na região mais interior do fiorde com o mesmo nome,  é considerada uma das mais pitorescas e interessantes cidades, do ponto de vista arquitectónico e histórico, do leste da Islândia. Dada a proximidade com a Europa continental, o porto marítimo é bastante movimentado, facto que releva a grande importância estratégica e comercial de Seydisfjordur.

Refeitos do longo dia anterior, decidimos que a manhã seria passada no camping. Com 3 crianças a bordo, e depois de uma semana de viagem, o avolumar de roupa para lavar era considerável. Assim, aproveitamos para lavar (e secar) alguma roupa na lavandaria do parque. Enquanto a máquina lavou (e secou) deu tempo para "por ordem na casa", abastecer de água limpa, efectuar os devidos despejos, visitar a cidade e, mais importante que tudo, brincar com os miúdos.


O ambiente tranquilo e relaxado do parque de campismo de Seydisfjordur, rodeado por montanhas, quedas de água e solos verdejantes. Local idílico!! 























Foi quase um milagre arranjar este lugar de estacionamento. À chegada, já depois das 22h, o parque estava completamente lotado!! 























Mais um treino, para manter a forma física e libertar energias.























Embora pequena em dimensão (apenas 700 habitantes), Seydisfjordur é uma enorme fonte de inspiração para artistas, designers e outros criadores, facto que se comprova pela existência de um elevado número de galerias e espaços culturais. A herança norueguesa, bem visível nos edifícios coloridos e em madeira, e a paisagem estonteante são os elementos mais distintivos desta localidade.









































































































































A Bláa Kirkjan, ou Igreja Azul, é um dos monumentos mais 
emblemáticos da cidade.







































No final da manhã regressámos à N93, em direcção a Egilsstadir. Poucos quilómetros após iniciarmos a subida do fiorde fizemos uma breve paragem para observar Gufufoss, umas das 25 quedas de água do rio Fjardará.























Umas centenas de metros depois... nova paragem, desta feita para contemplar a paisagem!

A estrada serpenteia por entre as montanhas, brindando-nos com cenários lindíssimos! Bem no fundo do fiorde vemos Seydisfjordur.
























Assim que iniciamos a descida e nos afastamos dos fiordes, a paisagem muda radicalmente, tornando-se mais plana. Do cimo da montanha é possível avistar Egilsstadir. Esta pequena cidade, capital da região, é o centro financeiro e comercial da zona este da Islândia. 























A nossa passagem por Egilsstadir foi breve, fundamentalmente para comprar alguns mantimentos num supermercado local. Registámos, como particularidade, a presença de enormes cestos de flores por entre as ruas da cidade, o que não deixa de ser curioso se considerarmos o clima austero destas paragens.























Seguimos viagem, agora pela N92, em direcção a Reydarfjordur. Ao longo de 34 km de estrada enfrentamos um cenário absolutamente impossível de descrever!! A paisagem por entre o vale de Fagridalur é inacreditável!! Figura, sem dúvida, entre os mais belos fenómenos naturais que observamos ao longo de toda a viagem!! 




Vista do nosso "alpendre", durante o almoço. Beleza natural sem limites! 



























Imediatamente antes da localidade de Reydarfjardur seguimos pela direita, na N96, em direcção a Faskrúdsfjordur. A viagem é facilitada por um enorme e impronunciável túnel, de quase 6 km, que nos levou até bem perto da costa.
























Do outro lado da montanha, já com o mar à vista, reentrámos na Ring Road, em Breiddalsvik. Seguiram-se quase 200 km de estrada com paisagens incríveis, contornando fiordes e montanhas de origem vulcânica, com o oceano como companhia. Sucederam-se inúmeras paragens, para contemplar e fotografar, alguns quilómetros de estrada em gravilha e troços bastante sinuosos. A progressão, junto aos fiordes do leste, foi lenta, difícil, mas compensadora. Não imagino melhor cenário para uma road trip!!

As escorrências de cinzas e rochas vulcânicas são uma constante nesta região. 


Existem, ainda, alguns troços da N1 em gravilha. Embora perfeitamente transitáveis por um qualquer veículo ligeiro, obrigam a cuidados reforçados de segurança. Circular a velocidades superiores a 40 km/h é extremamente desconfortável.











Os agricultores apressam-se a guardar alimento para os animais. O inverno aproxima-se e, com a neve, as pastagens desaparecem.




Chegámos a Hofn ao final da tarde. A proximidade de Hofn com o Parque Nacional de Vatnajokull fazem desta localidade uma excelente base para explorar todos os encantos do maior glaciar da Europa, bem como outras atracções. Decidimos procurar um local tranquilo para pernoitar, fora dos parques de campismo habituais, uma vez que a autocaravana tinha os fluidos "em dia". O local escolhido foi um recanto entre o porto e o hotel Edda Hofn. Antes de estacionarmos a autocaravana fomos "forçados" a um pequeno desvio, porque as crianças haviam avistado um suposto parque aquático. Fomos em busca de algumas informações, nomeadamente sobre a hora de abertura, e acordamos que a manhã seguinte seria reservada para banhos!! Foi a loucura para os miúdos!!

Para terminar o dia em pleno, o Papá decidiu fazer uma surpresa. Saiu por uns breves instantes, regressando com uma deliciosa pizza!!























Para conhecer toda a aventura clique aqui: ISLÂNDIA 2017: 12 dias em autocaravana

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...